gata no cio

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Gata no cio: entenda os sintomas e o que fazer nessa fase do seu pet

Adoráveis, cheios de personalidade e com muito estilo, os gatos são animais de estimação incríveis. No entanto, eles têm uma série de particularidades que os diferem bastante dos cachorros. Uma delas é o processo de cio na espécie felina.

Se você tem uma gata no cio em casa ou é tutor de uma bichana, precisa saber do que estamos falando! Esse é um processo acompanhado de muito barulho, bastante estresse e alguns comportamentos bem diferentes.

Por isso, todo cuidado é pouco. Continue a leitura e descubra um pouco mais sobre o cio das gatas, aprenda a identificá-lo e saiba como tornar o momento mais tranquilo para a sua grande amiga!

O que é o cio?

O cio nada mais é do que o período fértil das gatas. Ele também acontece nas cadelas, mas com muitas diferenças em relação às felinas.

Nesse momento, o corpo da gata está preparado para a fecundação, ou seja, para que ocorra o acasalamento e uma gestação.

De quanto em quanto tempo a gata entra no cio?

As gatas podem entrar no cio diversas vezes ao ano. Caso ela seja fecundada e a gestação (que leva em torno de 60 dias) ocorra, ela só entrará no cio novamente após terminar de amamentar os filhotes. Ou seja, ao redor do segundo ou terceiro mês após a primeira ocorrência.

Caso ela não cruze, o cio pode sequenciar ou voltar a acontecer em cerca de 15 dias. Essa é uma das principais diferenças entre as gatas e as cachorras, que só entram no cio a cada 6 meses.

Quais são os sintomas de uma gata no cio?

Os sintomas mais clássicos são a vocalização excessiva e o rolar pelo chão. Os gritos são ouvidos por toda a vizinhança e não deixam ninguém em dúvida de que há uma gata no cio nas redondezas.

No entanto, há outros sinais que podem estar relacionados ao cio. Alguns são:

  • aumento na frequência de idas ao banheiro;
  • comportamento mais amável;
  • carência;
  • falta de apetite;
  • mudança de comportamento geral.

Nesse período, é comum que a gatinha fique se esfregando nas pernas dos tutores com mais frequência. Algumas fêmeas também ficam muito agitadas e inquietas, enquanto outras se tornam mais retraídas.

O que fazer nesse período?

O período do cio é sinônimo de estresse para as gatas. Por isso, a palavra-chave é minimizar esse risco, sempre respeitando as características do animal e promovendo um ambiente seguro para a sua recuperação.

A primeira dica é manter o perímetro bem seguro para evitar fugas. Além da gravidez indesejada, as gatas que passeiam podem pegar doenças (como a FIV e a FeLV) e sofrer inúmeros acidentes.

Promova também o enriquecimento ambiental. Além de dar muito amor e carinho à gatinha, forneça a ela brinquedos e um lugarzinho tranquilo para que ela possa descansar. Recomendamos também a visita a um veterinário, para que ele possa descartar possíveis problemas de saúde e orientá-lo(a) melhor sobre o que fazer a seguir.

O que não deve ser feito quando a gata estiver no cio?

Além das boas práticas durante o cio, devemos também conversar sobre o que deve ser evitado nesse período. As saidinhas são o primeiro tópico, pois, como já foi mencionado, elas expõem os gatos a uma série de riscos.

Outro ponto de atenção envolve as “injeções anticoncepcionais”. Esses medicamentos nunca devem ser feitos durante o período de cio ou após uma possível gestação, são muito perigosos, já que contêm altas doses de hormônios e aumentam consideravelmente as chances do desenvolvimento de uma gestação e um parto anormais, podendo trazer consequências fatais.

Evite essas práticas! Assim, você garante que a sua gatinha esteja sempre saudável!

Gostou de saber mais sobre a gata no cio? Agora, uma última dica: invista na castração! Esse é um procedimento relativamente simples e que só traz vantagens para a qualidade de vida e longevidade da bichana, prevenindo problemas como infecções uterinas e o surgimento de tumores.

Para saber mais sobre o procedimento, confira o nosso post sobre a castração e saiba como ela funciona e quais são os seus benefícios para os pets!

Confira mais