processos logísticos

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Processos logísticos essenciais para uma distribuidora

Os processos logísticos de uma distribuidora são essencialmente os mesmos de qualquer outro modelo de negócio — abrangem as fases de recebimento, armazenamento e movimentação das cargas, picking, packing e despacho.

Entretanto, com as medidas de restrição adotadas para conter a pandemia causada pela COVID-19 e as dificuldades impostas em função de suas consequências econômicas, será preciso que as distribuidoras e empresas repensem todos esses processos logísticos.

Neste artigo, descrevemos com mais profundidade alguns aspectos relacionados à gestão dos processos logísticos em uma distribuidora e quais ações devem ser tomadas para manter a eficácia e a lucratividade, mesmo com todas as medidas de segurança implementadas para conter a disseminação da COVID-19. Vamos lá?

Quais os processos logísticos essenciais para uma distribuidora?

Os processos da Supply Chain Management — Gestão da Cadeia de Suprimentos — devem objetivar requisitos mínimos de qualidade, custo e agilidade, pois, assim é possível viabilizar eficiência e gerar lucratividade para a distribuidora.

Um fluxo de processo logístico funcional também depende da localização geográfica da distribuidora, que deve ser adequada para favorecer a movimentação, armazenamento e distribuição de todos os ativos da organização.

Existem diferentes métodos de gestão logística. A adoção do melhor modelo deve estar alinhada ao core do negócio. Por exemplo, um e-commerce que realiza apenas a intermediação entre o produtor e o cliente final, pode optar pelo armazenamento em estoque ou a transferência direta do produto — método chamado drop-shipping.

Já empresas que produzem e vendem seus ativos precisam considerar fatores exigíveis para a sua maior eficiência, caracterizada pela qualidade dos resultados, baixo custo e, principalmente, agilidade na fase de despacho, e isso pode ser feito a partir da adoção de um centro de distribuição.

Entretanto, qualquer método de produção adotado pela empresa e o processo logístico associado a ele determinarão a quantidade de profissionais que devem ser contratados, a aquisição de materiais, o armazenamento e o transporte.

Os modelos de capacidade referentes aos processos logísticos podem ser construídos para atender às necessidades específicas mas, normalmente, devem considerar:

  • informações dos produtos (perecibilidade, obsolescência e outras demandas específicas);
  • nível de demanda (por região, por período etc.);

Além disso, é preciso avaliar elementos que interferem na eficiência, como a capacidade de recebimento, necessidades específicas de armazenamento, métodos para a separação e organização de pedidos, velocidade de despacho, espaço, adoção de equipamentos que automatizam as rotinas, nível de qualificação dos profissionais, entre outros.

Como a pandemia mudou a Gestão da Cadeia de Suprimentos?

A pandemia gerou muitas restrições aos processos logísticos. Com atrasos na produção e despacho, as empresas precisaram lidar também com redução de demanda, altas nas taxas de frete e adoção de protocolos de segurança em todas as suas instalações.

O distanciamento social, inclusive em rotinas operacionais, significou a necessidade de mais espaço para trabalhar com a mesma quantidade de funcionários ou a redução da capacidade total, e isso também gerou atrasos nas entregas.

A desinfecção das áreas de trabalho e a importância de fornecer equipamentos de proteção individual e coletivo também impactou o custo das operações. Para manter a efetividades dos processos logísticos nesse contexto, muitas empresas optaram por adotar:

  • implementação de um software de gestão, assim como outras ferramentas que permitem digitalizar os processos;
  • adoção de medidas de estreitamento da relação entre empresa e cliente, com acesso pleno aos dados dos processos em tempo real;
  • uso de sistemas de gerenciamento das rotas para entregas;
  • treinamento contínuo para qualificação dos profissionais que atuam na cadeia de suprimentos.

Uma empresa é bem-sucedida na coordenação de seus processos logísticos quando garante rastreabilidade em todas as fases, melhora seus indicadores de performance — Time Delivery (OTD), On Time Shipping, OCT (Order Cycle Time), OTIF (On Time in Full), Estoque médio, entre outros —, identifica e corrige rapidamente quaisquer gargalos.

Para garantir eficiência desde o início da sua cadeia de suprimentos é preciso contar com um fornecedor confiável, como a Matsuda. Prezamos pelo melhor atendimento, com respeito, inovação e qualidade nas entregas dos alimentos para o seu PET.

Confira mais