mulher feliz com um cachorro no colo

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Verme do coração: saiba mais sobre a doença e como evitá-la

Uma doença é que frequente, mas pouco conhecida entre os tutores de cães é a dirofilariose. Você a conhece? Popularmente, ela é chamada de verme do coração.

O nome dado é porque o parasita causador da doença se instala no coração do pet e se multiplica lá. O tratamento existe, mas a cura não é simples. Por isso, o melhor a fazer é evitar que o seu cachorrinho de estimação adoeça. Além disso, é importante saber que a dirofilariose é considerada uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida aos humanos.

Conheça mais sobre a dirofilariose e veja como deixar o seu peludo longe da doença.

Como o verme do coração é transmitido?

O causador da doença é um parasita, que tem aparência muito semelhante à da lombriga, chamado Dirofilaria immitis. Quando chega à fase adulta, ele se instala no coração dos cachorros. Por isso, é popularmente conhecido como verme do coração.

A transmissão é feita através da picada de mosquitos, como o Aedes aegypti, que tenha picado um animal com o parasita anteriormente. Assim, o ciclo da doença acontece da seguinte maneira:

  1. O mosquito pica o hospedeiro que está infectado e ingere as larvas em primeiro estágio, chamadas de microfilárias. Essas microfilárias estão presentes na corrente sanguínea do animal infectado;

  2. As larvas ficam no mosquito por aproximadamente duas semanas. Nesse período, elas se desenvolvem e seguem para o aparelho picador;

  3. Já no aparelho picador, as larvas poderão infectar outro animal quando o mosquito picar;

  4. O mosquito pica um cão saudável e as larvas migram para o animal;

  5. Elas se instalam nos músculos e no tecido subcutâneo para se desenvolver;

  6. Em três ou quatro dias após a picada do mosquito, o cão já tem em seu organismo larvas jovens adultas;

  7. Depois disso, elas migram para o coração do cão. Isso leva aproximadamente 100 dias;

  8. No coração, o parasita se instala no ventrículo direito. Alguns deles vão também para as artérias pulmonares do hospedeiro, onde ficam até atingirem a maturidade sexual;

  9. O parasita então começa a se reproduzir e a liberar microfilárias na corrente sanguínea do hospedeiro (cachorro) e o ciclo recomeça.

  10. Todo esse ciclo demora entre seis e oito meses.

Sinais clínicos causados pelo verme do coração

Os sinais clínicos variam de acordo com a quantidade de parasita e de quanto tempo o animal foi acometido. Quando no início, a doença pode ser silenciosa, ou seja, o animal pode estar acometido sem apresentar nenhuma alteração visível.

Com a chegada do parasita no coração e início do seu desenvolvimento, alguns sinais podem ser identificados. Dentre eles baixo rendimento em exercícios e tosse após esforço.

Já quando há a multiplicação do parasita no coração e aumento da lesão causada, a doença entra no quadro mais grave. Assim, o cachorro acometido pode apresentar sinais clínicos como:

  • Tosse persistente;

  • Dispneia;

  • Hemoptise (secreção nasal com sangue);

  • Insuficiência cardíaca congestiva direita;

  • Colapso após esforços físicos;

  • Anorexia;

  • Perda de peso;

  • Hepatomegalia (aumento no tamanho do fígado);

  • Hidrotórax (presença de líquido na região torácica);

  • Insuficiência hepática e renal;

  • Taquicardia;

  • Arritmia, entre outros.

Diagnóstico e tratamento da dirofilariose

Para chegar a um diagnóstico, o Médico Veterinário pode pedir diversos exames como: ecocardiograma e coleta de sangue para tentar identificar a presença do parasita. Além disso, é comum a solicitação de bioquímica sérica, hemograma,  urinálise e radiografias torácicas.

Quanto mais cedo for realizado o diagnóstico, maiores as chances de cura sem sequelas ao animal. Durante o tratamento, o profissional poderá prescrever medicamentos que matem larvas e parasitas adultos. Além disso, é possível que seja preciso administrar remédios para o coração ou para tratar outras lesões do organismo, que tenham sido consequentes do verme do coração.

É importante que você saiba que a administração de medicamentos para matar parasitas adultos nem sempre é feita, por ser arriscado. Uma vez morto, há a possibilidade de embolia, o que pode colocar em risco a vida do pet. Por isso, o Médico Veterinário irá fazer uma ampla avaliação para ter a certeza da melhor medicação a ser prescrita.

Como evitar o verme do coração

A melhor forma de evitar o verme do coração é impendido que o mosquito pique o animal. Para isso, existem medicamentos pour on (pipetas que são aplicadas na nuca) que funcionam como repelentes.

Existem também algumas coleiras, que impedem que o mosquito pique e transmita o verme do coração. Converse com o Médico Veterinário do seu animal  para que ele prescreva a melhor forma do seu peludo ficar protegido.

O seu animalzinho está protegido do verme do coração? Como você faz para que ele não seja picado? Conte pra gente nos comentários!

Confira mais